Conheça as principais causas de acidentes em rebocadores industriais

A movimentação interna de cargas dentro das empresas, especialmente as indústrias que fabricam componentes e peças, é fundamental e estratégica para os processos produtivos dessas organizações. Neste sentido, os rebocadores industriais são maquinários essenciais para que a fabricação desses diversos materiais ocorra corretamente.

Sendo assim, se essas operações que geralmente são executadas pelos rebocadores costumam ser estratégicas do ponto de vista produtivo, é possível deduzir que os veículos que as realizam são igualmente estratégicas, e ter uma atenção especial no que se refere às suas condições operacionais, também.

Embora sejam equipamentos robustos, os rebocadores têm facilidade em se movimentar em corredores estreitos por meio de uma capacidade de tração bastante sofisticada. Abaixo falaremos um pouco mais sobre estes equipamentos.

O que são os rebocadores industriais?

Exemplo de rebocador industrial, o modelo Rucker TH-1350 é simples e pode movimentar cargas mais pesadas em seus reboques. (Imagem: Rucker Equipamentos)

Assim como as empilhadeiras, funcionam para a movimentação de cargas, os rebocadores também são utilizados para a mesma finalidade. Apesar da importância das empilhadeiras, por exemplo, é muito comum que as empresas que se utilizam mais da movimentação de cargas dentro de sua logística de produção acabe por substituí-las pelos rebocadores, uma vez que estes costumam ser mais fluidos, versáteis e de fácil dirigibilidade.

>> Entenda por que o operador de empilhadeira necessita fazer um curso de segurança <<

Por mais que pareçam com simples “carrinhos com reboques”, os rebocadores industriais são criados a partir com uma ergonomia própria para espaços mais difíceis de fazer manobras. Por isso, são indicados para a movimentação de itens variados, em grandes volumes e lotes. Esses são equipamentos essenciais para operações intralogísticas de indústrias como: montadoras de automóveis, autopeças, alimentício, têxtil, centros de distribuição, portos e aeroportos.

Quais são os principais riscos dos rebocadores?

Bem como qualquer equipamento de tração a motor, os rebocadores possuem especificidades que precisam ter atenção dos seus usuários. Não é obrigatório que o operador tenha uma Carteira Nacional de Habilitação, a CNH, para dirigir os rebocadores, visto que são veículos de características e operações totalmente distintos dos veículos de passeio, ônibus ou caminhões.

No entanto, a Norma Regulamentadora que versa sobre a segurança do manuseio desse tipo de equipamento, a NR-11, acaba por estipular que em termos de cuidados preventivos parece desejável que o candidato tenha uma CNH e seja conhecedor das regras básicas de trânsito e veiculação. Isso porque os maiores riscos do manuseio de rebocadores industriais costuma ser de colisão devido à má atenção, cargas de peso excessivo, e assim por diante, como veremos no tópico a seguir.

Principais causas de acidentes em rebocadores industriais

De modo geral, a ausência de inspeções antes, durante e após as operações com rebocadores é a causa que resulta na maior parte de acidentes com o maquinário. Essa falha pode ter como resultantes colisões, atropelamentos, tombamentos, explosões e até mesmo intoxicações, por exemplo.

Abaixo, citamos alguns dos motivos que podem causar acidentes com os rebocadores:

1. Atenção dispersiva

Assim como no trânsito, quando um motorista deixa de prestar atenção ao seu entorno, os acidentes costumam ser mais comuns – e, com os rebocadores industriais, isso não seria diferente.

Muito embora esses equipamentos não estejam inseridos em contexto de vias com vários outros automóveis e pedestres, ainda assim a movimentação dentro de indústrias costuma ser bastante frenética, e é essencial que o condutor esteja atento a tudo o que se passa ao seu redor para evitar que um acidente evitável possa, de fato, acontecer.

2. Problemas de saúde

Se o operador possui alguma condição física que comprometa o exercício de sua função: seja algum tipo de dorsalgia, ou mesmo problemas mais graves, como doenças cardiovasculares, isso pode tirar atenção e até mesmo causar acidentes mais fatais, em casos sérios. Isso porque, como dito anteriormente, ao conduzir um equipamento como um rebocador industrial, é necessário que se esteja constantemente atento.

Por isso, é de competência dos próprios empregadores se atentar aos problemas de saúde dos colaboradores que contratam, não apenas em exames admissionais ou demissionais, mas também em exames periódicos que possam constatar o estado de saúde dos empregados. Isso tudo faz parte do Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional, o PCMSO.

>> Não sabe do que se trata o PCMSO? Confira todos os detalhes no nosso artigo <<

3. Hábitos perigosos

Bem como no trânsito existem atitudes que podem ser consideradas perigosas para a direção, ao manusear um rebocador industrial o motorista deve evitar hábitos nocivos que podem desviar a atenção enquanto movimenta o equipamento.

Algumas dessas práticas costumam ser tão costumeiras que os condutores de rebocadores mal notam, porém precisam ser revistas para que não ocorram acidentes dentro do ambiente ocupacional, como: falar ao celular enquanto dirige, fumar, alimentar-se, ouvir música e permitir caronas.

>> Saiba mais dicas sobre direção sobre direção defensiva no nosso artigo <<

4. Atuação sob pressão

É de senso comum que a rotina dentro das fábricas costumam ser bastante corrida – são cargas que chegam atrasadas, fabricação de peças que precisam estar dentro do prazo para não atrapalhar a produção, e assim por diante.

Mesmo diante dessa pressão constante, os condutores de rebocadores industriais precisam estar duas vezes mais atentos no que se refere ao manuseio do equipamento. Isso porque é comum que o operador que trabalha constantemente estressado e sob pressão da supervisão esteja mais propício a sofrer acidentes do que os demais.

5. Imperícia

Essa é uma das causas mais comuns de acidentes com rebocadores. A imperícia diz respeito aos operadores sem competência, experiência e habilidades para a função. É usual que isso aconteça com colaboradores que não foram devidamente capacitados para movimentarem cargas com rebocadores industriais.

Em boa parte das empresas, esses operadores de veículos industriais não possuem o nível de conhecimento exigido pela função dentro dos parâmetros de segurança operacional recomendados pela NR-11. É obrigação do gestor capacitar seus colaboradores para que estejam seguros ao manusear os rebocadores e, assim, evitar acidentes.

Nós, da Beta Educação, nos preocupamos com a segurança do trabalho em empresas que fazem o uso de rebocadores industriais em sua rotina de trabalho. Por isso, lançamos um minicurso de segurança em rebocadores industriais de acordo com a NR-11.

Deixe seu comentário