O que o colaborador eletricista precisa para trabalhar?

Muitas pessoas que desejam trabalhar como profissionais eletricistas, bem como os gestores que almejam contratar esses profissionais, têm dúvidas sobre o que é necessário para trabalhar. Antes de mais nada, é importante apontar que os eletricistas são os profissionais que executam, vistoriam e reparam instalações elétricas em seus mais diversos formatos.

Como a eletricidade é um campo de extrema necessidade na nossa sociedade, esta se torna uma atividade essencial nos tempos atuais. A partir desta perspectiva, os eletricistas estão sempre em demanda quando o assunto é emprego na área.

No artigo de hoje, veremos o que é necessário para um colaborador eletricista trabalhar, de acordo com as Normas Regulamentadoras que regem a atividade.

Confira a seguir:

Quais as funções de um profissional eletricista?

eletricista
O profissional eletricista deve saber identificar problemas em sistemas elétricos e circuitos.

Um ponto essencial antes de falarmos sobre o que esses profissionais precisam para trabalhar, é sobre as funções que o eletricista pode ter em seu ofício. Muito além de ligar e desligar cabos elétricos, o eletricista precisa saber interpretar desenhos técnicos e esquemas elétricos, além de ter a aptidão para poder diagnosticar falhas.

As tarefas de um eletricista passam por todos os cenários associados a instalações elétricas, como por exemplo: a instalação em si, a manutenção de sistemas, e o reparo de componentes elétricos. Ademais, este profissional também pode ter de montar circuitos de automação, bem como fazer a manutenção de motores, máquinas, equipamentos e instalações industriais.

Uma área que sempre pede demanda por eletricistas é a Construção Civil. Nesta área, o profissional poderá trabalhar tanto em construções mais simples, como as residenciais, até mesmo às mais complexas, como as prediais e as industriais.

Eletricistas na Construção Civil

Eletricidade Residencial x Eletricidade Predial x Eletricidade Industrial

O eletricista residencial, como o próprio nome supõe, trabalha com sistemas elétricos próprios de construções civis como as residências. Eles podem atuar de forma individual ou conjunta, podendo também ser contratados por empresas de Construção Civil. No conteúdo programático para profissionais em Eletricidade Residencial, esses profissionais aprendem sobre estudo e interpretação de desenhos de fiação elétrica, execução de reparos, trocas de equipamentos com defeitos, dentre outros.

No caso da Eletricidade Predial, geralmente o conteúdo programático dos cursos costuma ser o mesmo do para eletricistas residenciais. No entanto, o aluno também poderá aprender a utilizar ferramentas, realizar cálculos, dentre outros conhecimentos sobre segurança, prevenção contra acidentes e Primeiros Socorros.

Para os profissionais interessados em se aprofundar em Eletricidade Industrial, os cursos da área garantem que este profissional esteja apto para realizar manutenção industrial, instalação e conhecimento de comandos elétricos, além de lidar e conhecer princípios de automação, os CLPs, sensores, interfaces homem-máquina, e atuadores em outros equipamentos.

Outras Especializações

Embora a Construção Civil seja, talvez, a área mais abundante para esses profissionais, existem outras especializações onde esses profissionais eletricistas podem estar aptos para trabalhar. Confira as principais delas:

  • Eletricidade de Manutenção Industrial – Neste caso, o profissional se dedica a sistemas elétricos de grandes dimensões e que são críticos para o funcionamento de fábricas e instalações industriais. Trabalham com redes elétricas complexas, e com equipamentos industriais;
  • Eletricidade Automóvel – Os eletricistas automóveis são focados em sistemas elétricos de carros, ônibus, e outros veículos de transporte. Devem ter conhecimentos dos sistemas de iluminação, de ignição, de ar-condicionado, de aquecimento, de injeção de combustível, e de transmissões, por exemplo;
  • Eletricidade de Telecomunicações – Esses profissionais lidam com linhas de telefone e de Internet a cabo, cuidando principalmente da manutenção e da reparação de sistemas elétricos em postes, torres e edifícios. Em geral, esses profissionais têm de trabalhar em alturas elevadas;

    >> Confira no nosso artigo dicas de Segurança do Trabalho em Altura: riscos, prevenção e melhores práticas <<
  • Instalador de Sistemas de Segurança e Alarmes – Este profissional eletricista está em alta demanda. No caso, esses eletricistas trabalham com alarmes de incêndio e/ou alarmes de segurança em casas, espaços comerciais e industriais.

NR-10 nas Empresas

Agora que falamos sobre os tipos de atividades que cabem aos profissionais eletricistas, é importante falar sobre a Segurança do Trabalho para esses profissionais. Se você é gestor de uma empresa e deseja contratar um profissional para atividades do escopo da eletricidade, é importante conhecer a NR-10.

A NR-10 é a Norma Regulamentadora que rege a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos para garantir a integridade dos trabalhadores cujo ofício se dá por meio de instalações elétricas e serviços de eletricidade, direta ou indiretamente.

O empregador terá que analisar as instalações elétricas e as tensões a que esses profissionais estão submetidos para saber, de fato, o que o colaborador eletricista irá precisar para trabalhar.

Quem define isso são as normas complementares à NR-10 da Associação Brasileira de Normas Técnicas, a ABNT. Confira o que dispõe cada uma dessas situações:

  • NBR 5410 – Instalações elétricas de Baixa Tensão (BT)

São englobadas as atividades em instalações comerciais e residenciais normais, com tensão superior a 50 volts em corrente alternada, ou 120 volts em corrente contínua, e igual ou inferior a 1000 volts em corrente alternada, ou 1500 volts em corrente contínua.

O que o eletricista pode precisar?

Neste caso, além de ter acesso ao projeto elétrico do ambiente em questão – que nada mais é do que uma prospecção escrita das instalações elétricas residenciais, com a disposição de todos os equipamentos e dispositivos elétricos – tomadas, pontos de iluminação, disjuntores, interruptores e circuitos elétricos, o eletricista vai precisar de Equipamentos de Proteção Individual, incluindo o Capacete de Segurança Classe B e Luvas de Borracha.

  • NBR 14039 – Instalações elétricas de Média Tensão (MT)

São englobadas as atividades com instalações elétricas de 1.000 volts, a 36,2 kv. Geralmente, esse tipo de tensão está presente em postes de energia, e demais instalações de geração, distribuição e utilização de energia elétrica que funcionam 24 horas por dia. Sendo assim, diz respeito ao uso em empresas como hipermercados, hospitais, prédios residenciais, shopping centers, e indústrias de médio e grande porte.

O que o eletricista pode precisar?

Além do projeto, manutenção e gestão dessas instalações elétricas, é essencial que o profissional venha a visitar o ambiente em questão antes de fazer trabalho com atividades elétricas. Os Equipamentos de Proteção Individual, como Capacete de Segurança Classe B, Luvas de Borracha, Botinas Isolantes, e Protetores Faciais contra Arcos Elétricos são essenciais. Caso precise fazer algum trabalho em altura superior a 1,5 metros, considere também oferecer Cintos de Segurança com Talabartes.

  • NBR 5414 – Instalações elétricas de Alta Tensão (AT)

Aqui, são englobadas as atividades elétricas concentradas em subestações, com mais de um transformador de energia, de 0,6 kv, a 15 kv. Neste caso, envolvem os Sistemas Elétricos de Potência (SEP) que não podem ser realizados individualmente, sendo assim o eletricista vai precisar de trabalhar em dupla ou ajudante para não realizar trabalho sozinho.

O que o eletricista pode precisar?

Antes de mais nada, para executar um serviço em instalações elétricas de Alta Tensão que utilizam o SEP, é necessária a solicitação, o recebimento ou a execução de Ordem de Serviço que contenha o local, data e assinatura do responsável pela área.

Neste caso, todos os EPIs são indispensáveis: Capacetes de Segurança de Classe B, para proteção contra correntes elétricas, Óculos de Proteção, Luvas Isolantes de Segurança, Calçados de Segurança – de preferência, que vão até a altura do tornozelo, Mangas Isolantes de Borracha, Capa Protetora com revestimento de Borracha, e Cintos de Segurança com Talabarte, em caso de trabalho em altura.

>> Confira mais detalhes sobre Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para Eletricistas no nosso artigo <<

Todos e quaisquer equipamentos, ferramentas e dispositivos isolantes destinados a estes trabalhos devem cumprir as especificações do fabricante e ser submetidos a testes elétricos ou ensaios de laboratórios periódicos.

Além disso, é importante frisar que o trabalhador que atue nessas instalações tenha um equipamento de comunicação permanente com os demais membros da equipe e com o centro de operação durante a realização de serviço.

Outras medidas de Segurança do Trabalho para Eletricistas:

Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs)

Conforme o número de colaboradores trabalhando em atividades elétricas aumenta, também cresce a necessidade de Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs). Abaixo, listamos alguns deles:

  • Cones de sinalização: para sinalizar eventuais áreas de risco, esse cone deve ser de polietileno para ter mais capacidade de resistência;
  • Fita de sinalização: serve para comunicar que a área é de risco, impedindo assim o trânsito de pessoas;
  • Banqueta isolante: para ajudar o operador a alcançar locais mais altos, como em subestações, painéis elétricos e cubículos;
  • Manta isolante: serve para isolar equipamentos energizados durante a execução do serviço;
  • Extintor de incêndio: talvez seja o EPC mais conhecido. Para o caso de equipamentos elétricos energizados, o extintor deve ser de gás carbônico.

>> Veja no nosso artigo os principais tipos de Extintores de Incêndio <<

Treinamento em NR-10

Para garantir que esses trabalhos em instalações elétricas sejam feitos com segurança e eficácia, é preciso capacitar os colaboradores dentro dos parâmetros desta norma, oferecendo a eles cursos complementares, caso necessário.


Cada caso é um caso, e o trabalho em eletricidade pode requerer um treinamento mínimo de 16 horas, podendo se estender até 40 horas, dependendo da atividade em eletricidade exercida.

Nós, da Beta Educação, investimos em uma cultura de Segurança do Trabalho para que os profissionais eletricistas possam exercer suas atividades sem riscos de acidentes. Confira abaixo nossos dois cursos de Capacitação em NR-10.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *