Equipamentos de Proteção Respiratória (EPRs): quando utilizar e quais são os principais tipos

Os Equipamentos de Proteção Respiratória (ou EPRs, como são chamados) são materiais de proteção feitos de ar comprimido usados para que trabalhadores evitem inalar produtos tóxicos ou para que possam trabalhar adequadamente em ambientes com pouca dosagem de oxigênio.

equipamentos de proteção respiratória

Como o próprio nome já indica, são acessórios indispensáveis para preservar a saúde de colaboradores que trabalham diariamente em situações de riscos respiratórios. Além disso, seu uso impede que esses trabalhadores sejam contaminados por agentes químicos e biológicos que estão no ar.

Quem define o que é um Equipamento de Proteção Respiratória é a NBR 12543, publicada em 1986. De acordo com a legislação

Equipamento de Proteção Respiratória é o equipamento que visa a proteção do usuário contra a inalação de ar contaminado ou de ar com deficiência de oxigênio.

Em 1994, surgiu o Programa de Proteção Respiratória – Recomendações, Seleção e Uso de Respiradores, publicado pela Fundacentro do Ministério do Trabalho. O documento contém informações acerca de riscos respiratórios, procedimento de seleção do respirador, treinamento dos atores envolvidos, escolha do tamanho da peça facial que melhor veda o rosto e o seu uso correto.

Em quais situações se deve utilizar os EPRs?

No manual publicado pela Fundacentro, é indicado que os Equipamentos de Proteção Respiratória devem ser usados quando já não for possível prevenir a exposição ocupacional por medidas de controle de engenharia, tais como a substituição de substâncias por
outras menos tóxicas, enclausuramento ou confinamento da operação e sistema de ventilação local ou geral e medidas de controles administrativos, como a redução do tempo de exposição.

Portanto, o uso de EPRs pode ser considerado o último recurso na hierarquia de medidas de controle e deve ser adotado somente após a cuidadosa avaliação dos riscos. Nesse sentido, o uso dos respiradores é obrigatório quando:

  • Outras maneiras de controle já foram adotadas, mas a exposição à inalação não está adequadamente controlada;
  • A exposição por inalação excede os limites de exposição e as medidas de controle necessárias estão sendo implantadas;
  • A exposição por inalação é ocasional e de curta duração, sendo impraticável a implantação de medidas de controle permanentes (por exemplo, em trabalhos de manutenção, de emergência, fuga e resgate).

Em outras situações o uso de EPRs pode ser voluntário quando os trabalhadores, mesmo em situação de exposição comprovadamente controlada, sentem a necessidade do uso dos equipamentos a fim de obter um grau adicional de proteção ou conforto. Em qualquer um dos casos, é papel dos empregadores compreender todas as instruções de uso oferecidas pelo fabricante e disponibilizar apenas respiradores adequados ao risco e com Certificado de Aprovação (CA) emitido pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

O Programa de Proteção Respiratória (PPR) ainda estabelece que o empregador deve estabelecer por escrito e implementar
os seguintes elementos:

  1. Avaliação médica para determinar se o usuário é apto a usar o respirador;
  2. Instruções e procedimentos acerca de inspeção, limpeza, higienização, manutenção, guarda e uso, de tal modo que o respirador não represente um risco à saúde do usuário.

Saiba quais são os principais tipos de EPRs

O tipo ideal de Equipamento de Proteção Respiratória depende em grande parte do ambiente de trabalho e dos riscos respiratórios aos quais os trabalhadores estão submetidos. Independentemente do caso, é necessário que seja feita uma medição correta da quantidade de oxigênio e de agentes químicos que estão presentes no ar.

Para isso, a empresa precisa elaborar um Programa de Proteção Respiratória, como foi dito anteriormente, produzido por um profissional da área de Segurança do Trabalho onde constem as diretrizes e estratégias para diminuir os riscos.

>> Saiba qual é a importância de máscaras de proteção respiratória para a prevenção de doenças <<

É só depois disso que é possível saber quais os possíveis EPRs existentes no mercado que se adequem à realidade do ambiente ocupacional. Conheça agora quais são os tipos de Equipamentos mais comuns:

1. Respiradores Semifaciais

Fonte: Lubeka

De modo geral, os equipamentos de proteção semifacial são divididos em três tipos: PFF1, PFF2 e PFF3. São ideais para ambientes com gases tóxicos, ácidos e partículas com poeira. Geralmente, eles têm dois filtros mecânicos na sua composição para agir na filtragem de partículas. Porém, se o agente contaminante for algum tipo de gás tóxico, esse filtro precisa ser químico.

Um adendo importante é que esses equipamentos não servem para todos os tipos de gases, e é indispensável que seja feita uma verificação prévia para evitar possíveis contaminações. Enquanto o PFF1 age contra poeiras e névoas, o PFF2 além de evitar a inalação dos compostos anteriores também ajuda o colaborador a não aspirar fumos. Já o PFF3 é o mais completo de todos, pois também protege dos radionuclídeos presentes em materiais instáveis e radioativos.

Por servirem de proteção apenas para a boca e o nariz, esses equipamentos devem ser colocados de maneira correta, de modo com que a boca e o nariz fiquem completamente cobertos. Outra atenção que os seus usuários devem tomar é com relação às trocas – sempre que esses EPRs estiverem com alguma deformidade ou saturados pelo excesso de uso, é preciso que sejam substituídos.

2. Respiradores de Peça Facial Inteira

Como é possível verificar na imagem, os respiradores de peça facial inteira têm uma vedação bem mais eficaz do que os semifaciais, pois além de protegerem a boca e o nariz, também protegem os olhos. Por conta disso, eles podem ser utilizados em atmosfera IPVS (Atmosfera Imediatamente Perigosa à Vida ou à Saúde), ou seja, qualquer atmosfera que apresente risco imediato à vida ou produza imediato efeito debilitante à saúde.

Seu uso é recomendado em locais com uma maior taxa de contaminação do que os respiradores anteriores, podendo, assim, reduzir os riscos dos contaminantes até 100 vezes mais. Podem ser tanto da espécie respirador de abdução de ar do tipo de linha de ar comprimido, ou também do tipo de máscara autônoma. O modelo ideal para cada situação varia conforme a quantidade de oxigênio, que pode ser maior ou menor que 12,5%.

Assim como os equipamentos anteriores, é preciso que ele fique completamente ajustado ao rosto do trabalhador, para que não corra o risco de o ar entrar contaminado nas vias respiratórias.

3. Respirador de Fuga

Como o próprio nome já indica, os respiradores de fuga são muito empregados em situações de atmosfera IPVS para proteger as vias aéreas em situações de fuga. Diferente dos outros modelos, eles são adaptados para serem mais fáceis de tampar as vias respiratórias pois precisam ser acionados rapidamente.

É importante ressaltar que a escolha desse tipo de Equipamento de Proteção Respiratória varia conforme o que estiver estabelecido no Plano de Emergência do local de trabalho, pois depende das exigências de evacuação do ambiente.

Independentemente de quais Equipamentos de Proteção Respiratória os empregadores escolherem para os seus funcionários, é preciso ter em mente que todos devem estar de acordo com o Programa de Proteção Respiratória elaborado para o ambiente de trabalho em si. Além disso, é papel do empregador fornecê-los e disponibilizar o treinamento adequado sobre como utilizá-los no dia a dia de trabalho.

Só assim é possível garantir que os empregados consigam realizar as tarefas com a segurança em ambientes potencialmente perigosos para a sua saúde respiratória, e que os empregadores não gastem com possíveis multas e indenizações trabalhistas por conta da exposição dos colaboradores a esses meios.

Pensando no bem-estar e na qualidade da saúde respiratória dos trabalhadores que estão expostos diariamente a gases tóxicos, a Beta Educação preparou uma capacitação EaD especial sobre o PPR (Programa de Capacitação Respiratória), onde abordamos sobre este tópico e outros mais relativos ao tema.

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.